Questão de carreira
O maranhense Venizelos Khoury Murad, de 31 anos, formou-se em direito no Maranhão em 2006. Estagiário em um escritório de advocacia, com chance de ser efetivado, o advogado mudou-se em 2008 para São Paulo, onde pretendia prestar concurso público.
Filho de uma servidora pública, era um caminho natural para Venizelos seguir para o funcionalismo. Porém, a perspectiva de passar anos na mesma empresa despertou o sentimento de mudar de profissão, que já era alimentado durante a faculdade. “Eu havia percebido que o direito não era o que eu queria no terceiro ou quarto ano de curso, mas fui levando a graduação até o fim”, diz. A ideia de se acomodar assustava Venizelos, que, aos 27 anos, decidiu mudar radicalmente de carreira e começar de baixo. 
O dilema
“Sempre imaginei que a profissão de publicitário poderia dar vazão a um lado criativo, que eu encontrava pouco no direito”, diz Venizelos. O advogado decidiu iniciar uma segunda graduação em um curso de publicidade e propaganda, em São Paulo.
A decisão de largar uma carreira encaminhada e estável foi muito tensa. “Achava que estava jogando fora os anos que eu dediquei à faculdade, além do incômodo que sair da zona de conforto traz”, diz. 
A decisão
“Durante a faculdade, conciliei trabalhos como advogado para pagar a mensalidade. No último ano, sem nunca ter estagiado na área, mandei um e-mail para a Ampfy, agência especializada em mídia digital, e o próprio Gabriel Borges, presidente da agência, me respondeu.
Ele me chamou para um café e ofereceu um estágio na Ampfy. Eu era o estagiário mais velho, mas acredito que o estilo de gestão menos hierárquico da empresa tenha ajudado na minha adaptação. Eu me formei em 2013 e fui contratado como analista de planejamento. Hoje não me arrependo da mudança e acredito que ter cursado direito até ajuda no meu trabalho".